quarta-feira, 27 de maio de 2015

Saul, Davi e Salomão – três reis, três corações

 “Todo caminho do homem é reto aos seus próprios
olhos, mas o SENHOR sonda os corações.”(Prv 21:2)O verdadeiro interior dos homens é conhecido somente por Deus. Olhamos para as pessoas, mas é possível conhecer apenas o exterior, a fachada. As reais motivações e os sentimentos verdadeiros são conhecidos apenas por Deus.

Na verdade, somos orientados apenas pelas aparências. Conhecemos apenas o mundo das vitrines. Os nossos preconceitos e conceitos, infelizmente, são quase que totalmente construídos a partir apenas das impressões exteriores.

A história de vida dos três primeiros reis de Israel ilustra muito bem a diferença entre a visão superficial humana e a visão daquele que tudo criou.

O julgamento dos homens é falho e pecaminoso. Mas a sabedoria e o domínio de Deus sobre todas as coisas, porém, é absoluta e infalível. Deus conhece a essência, pois ele é o Criador Supremo.  

SAUL – CORAÇÃO EGOÍSTA
Saul, o primeiro rei de Israel foi a pura expressão do poder enganoso das aparências. Deus permitiu que o povo de Israel sofresse ao ser governado por um rei vaidoso, soberbo e desobediente. O povo não queria um rei aprovado por Deus, mas um rei que tivesse aparência de rei. Eles queriam imitar as outras nações.

A motivação de Saul era satisfazer aos seus próprios desejos. A desobediência e a vaidade de Saul lhe reservaram um final trágico: a vergonha e o suicídio. “Saul morreu assim porque foi infiel a Deus, o SENHOR. Ele desobedeceu aos mandamentos de Deus e consultou os espíritos dos mortos” (1Cr 10:13)

DAVI – CORAÇÃO CONSAGRADO
Davi, o segundo rei de Israel, foi um escolhido e ungido pelo próprio Deus. Nem mesmo o pai de Davi lhe dava qualquer prestígio ou o estimava. Ele foi o último dos filhos a ser lembrado pelo próprio pai. Todavia, mesmo sem a estatura física de um Rei, ele era um pastor zeloso, valente defensor das ovelhas do pai e extremamente reverente diante do poder de Deus.

Davi, como qualquer ser humano, cometeu graves pecados; porém, ao contrário de Saul, nunca recorreu aos espíritos enganadores e nem procurou desculpas esfarrapadas para seus pecados. Ele arrependia-se e suplicava pela misericórdia e pelo perdão de Deus.

A motivação de Davi era agradar a Deus em primeiro lugar. E Deus o honrou sobremaneira, garanti-lhe que nunca um descendente dele deixaria de governar o povo de Israel, promessa que se cumpriu logo em seguida, através do reinado de Salomão e para todo o sempre através do reinado eterno de Jesus Cristo. “E, quando você morrer e for sepultado ao lado dos seus antepassados, eu colocarei um dos seus filhos como rei e tornarei forte o reino dele” (1Cr 17:11)

SALOMÃO – CORAÇÃO DIVIDIDO
Salomão, o terceiro rei de Israel, filho de Davi, foi um rei também escolhido por Deus, como cumprimento da promessa feita o pai. No início do seu reinado ele deu demonstração de fidelidade e compromisso. Ele poderia ter pedido qualquer coisa para Deus, mas soube pedir o principal, sabedoria para governar. “Portanto, dá-me sabedoria para que eu possa governar o teu povo com justiça e saber a diferença entre o bem e o mal. Se não for assim, como é que eu poderei governar este teu grande povo?”(1Rs 3:9)

E Deus lhe concedeu não apenas este pedido, mas também glória, poder e riqueza que nunca nenhum outro rei havia possuído antes. Porém, as riquezas e os prazeres corromperam o coração de Salomão ao final de sua vida. Tornou-se Salomão um relativista promíscuo. Já não prestava culto e adoração exclusivamente a Deus. Inclinou-se perante as inúmeras divindades adoradas por suas também inúmeras mulheres. Com resultado, legou para o seu filho problemas insustentáveis que culminaram na divisão do reino. 

A história destes três reis ilustra muito bem a influência que a motivação do coração pode trazer sobre o nosso destino:
-o coração egoísta (Saul) e que busca apenas uma vida de aparências, resulta em vergonha e morte;
-o coração consagrado a Deus (Davi) e que busca, dia e noite, conhecer e realizar a vontade de Deus, resulta em honra e vida eterna;
-o coração dividido (Salomão) e que busca agradar ao mundo e a Deus ao mesmo tempo, resulta em frustração e derrota.

E nós? qual tem sido a motivação dos nossos corações?

Estudo òtimo para a Célula.