segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

“Pai nosso”

“Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus…” (Mateus 6.9)
CéuVocê já pensou no maravilhoso privilégio que temos de ter Deus como nosso “Pai”? Para os muçulmanos, Deus é instante, frio, implacável e exigente. E a Jihad, ou seja, a sua ”guerra santa”, matando cristãos e parentes que se convertem a Cristo, demonstra sua compreensão errada do Deus Criador. O coração deles fica cheio de ódio e pensam estar fazendo o bem ao eliminar os “infiéis”.
Ao contrário, Cristo nos ensinou o amor, baseado na compreensão do coração do Pai, quando disse: “Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos. Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo? Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste” (Mateus 5.44-47).
Jesus nos mostra a perfeição do Pai Celestial por meio desse atributo maravilhoso: o amor. João chega a nos dizer que “Deus é amor” (1 João 4.8). A essência de Deus é o amor. Amor que se dá. Amor que compreende. Amor que reparte. Amor que perdoa. Amor que “tudo sofre, tudo espera, tudo crê tudo suporta…” (1 Coríntios 13.7). Este Deus de amor é o nosso Pai Celeste.
Podemos, pois, nos achegar a Ele com total confiança e derramar o nosso coração em seu altar. Ele nos ouve e responde. Ele nos ensina e nos guia em Sua vontade que é boa, perfeita e agradável. Ele nos supre as necessidades em glória, por Cristo Jesus, nosso Senhor. Ele nos dá Sua paz, Seu Espírito Santo para habitar em nós e nos guiar no caminho a seguir. Ele nos prepara um futuro tão glorioso, como está escrito: “Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam” (1 Coríntios 2.9).
Nosso relacionamento com Deus se faz por intermédio do amor que Ele mesmo derrama em nossos corações pelo Espírito Santo. E, assim, a presença maravilhosa do Senhor se manifesta em nossas vidas por meio desse amor que demonstramos por Ele e pelo próximo, ainda que este seja nosso inimigo.
Quando oramos dizendo “Pai nosso”, devemos ter a compreensão do caráter de nosso Deus e de que Ele ama a todos, indistintamente, e quer que nos amemos uns aos outros também.
Você está disposto a amar como Cristo amou, a ponto de dar a sua vida por nós? “Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar nossa vida pelos irmãos” (1 João 3.16).
Experimente orar dizendo “Pai nosso” em toda a profundidade dessa expressão, e sinta a natureza de Deus, cheia de amor, fluindo por meio de você e alcançando os corações ao seu redor.
Fotos: Internet
Crédito:Pra. Ângela Valadão Cintra