sexta-feira, 22 de junho de 2012

SALMO 126


Este Salmo 126 fala-nos de Restauração. Ele descreve três períodos na vida do povo de Israel.
1) O passado (v. 1-3) – Temos uma história de salvação a contar, um passado de glória a agradecer;
2) O presente (v. 4) – Temos um desafio presente a enfrentar, um presente de crise;
3) O futuro (v. 5,6) – Temos um investimento futuro a fazer: um futuro de investimento e promessa.
 
O mesmo Deus que agiu no passado, é o Deus que age no presente. O mesmo Deus que restaurou no passado é o Deus que restaura no presente. O mesmo Deus que tirou o seu povo dos grilhões da escravidão e o restaurou à sua terra, é o mesmo que pode mudar a nossa sorte.


I.AS MARAVILHA QUE DEU FEZ ONTEM DEVEM NOS INSPIRAR A BUSCAR A DEUS COM MAIS FERVOR HOJE (V.1-3)


1. Nós somos uma igreja histórica, mas não vivemos apenas de história. Nós não moramos no passado. O nosso Deus fez, faz e fará maravilhas. Não vivemos apenas de lembranças. A intervenção de Deus é contemporânea. 

2. A intervenção de Deus é maior que a nossa expectativa (v.1)
a) O povo tinha perdido a liberdade, a Pátria, o templo, a família, o culto, as festas. O cerco, a fome, a espada, o opróbrio, a escravidão. 

b) O povo estava entregue:

1. Nós somos uma igreja histórica, mas não vivemos apenas de história. Nós não moramos no passado. O nosso Deus fez, faz e fará maravilhas. Não vivemos apenas de lembranças. A intervenção de Deus é contemporânea.
2. A intervenção de Deus é maior que a nossa expectativa (v.1)
a) O povo tinha perdido a liberdade, a Pátria, o templo, a família, o culto, as festas. O cerco, a fome, a espada, o opróbrio, a escravidão.
b) O povo estava entregue:
1) À crise da desinstalação – “Às margens dos rios da Babilônia”. Foram arrancados do lar. Seus vínculos foram quebrados. Perderam seus bens, família. Estão aonde não gostariam de estar.
2) A crise da apatia coletiva – “Nós nos assentávamos”. Apatia é desânimo crônico. É morte da esperança. É apostar que a crise é imutável. É aceitar o caos. Todos estão apáticos.
3) A crise da melancolia – “… e chorávamos”. Juntos eles faziam o coral do gemido, a orquestra do lamento, a sinfonia do soluço. Eles não cantavam, não sonhavam, não reagiam à crise.
4) A crise da nostalgia – “… lembrando-nos de Sião”. Eles estão amargos com o presente porque não largaram o passado. Eles só cantam os cânticos de Sião em Sião. Eles dependuraram as harpas.
5) A crise da mágoa incurável – No Salmo 137:5,6 diz que eles olhavam para o futuro apenas para pedir um holocausto, para pedir vingança


c) Deus quebrou o orgulho de Nabucodonosor. Deus abriu o coração do rei medo-persa. Deus abriu as portas do cativeiro. A libertação não é obra humana. É intervenção sobrenatural de Deus. É Deus quem restaura. É Deus quem nos tira da cova. É ele quem nos põe de pé. É ele quem nos faz sonhar de novo. É ele quem nos enche de poder. Não se contente com migalhas!


3. A intervenção de Deus produz alegria indizível (v. 2).
4. A intervenção de Deus produz impacto nos outros e torna-se um poderoso testemunho entre as nações (v. 2b).
5. A intervenção de Deus gera reconhecimento sincero (v. 3)
a) Foram grandes coisas que foram feitas;
b) Foi o Senhor quem as fez;
c) Essas grandes coisas foram feitas por nós e não contra nós.

II. OS LUGARES SECOS DO AGORA PODEM SER FONTES ABUNDANTES DE VIDA AMANHÃ (V. 4)
1. Um passado de glória não é garantia de um presente glorioso
Eles estão alegres pelas vitórias do ontem, mas ao olharem para o presente, a vida está como um deserto.
As vitórias do ontem não são suficientes para hoje. Temos que andar com Deus hoje. Temos que ser cheios do Espírito Santo hoje. Temos que evangelizar hoje. Temos que investir na família hoje. Não podemos apenas celebrar as vitórias do passado.
VIVERMOS OS DIAS DE HOJE COMO SE CRISTO VOLTASSE AMANHÃ