terça-feira, 22 de março de 2016

OS DEZ MANDAMENTOS DE UM LÍDER DE CÉLULA

"Meus irmãos, eu mesmo estou convencido de que vocês estão cheios de bondade e plenamente instruídos, sendo capazes de aconselhar-se uns aos outros." Romanos 15.14
Para que uma Célula dê muito fruto, é necessário um líder preparado. Um líder não apto acabará comprometendo todo o grupo. Há dez princípios-chave nos quais um líder deve se preparar.
1. Tenha convicção de seu chamado para o ministério – João 15.16
Deus chama aquele que tem o coração disposto a se envolver na missão de implantar Seu Reino na Terra. Ele deve ter a seguinte identidade quanto ao seu chamado:
• Ser sacerdote real. É um intercessor em colaboração com o seu pastor (1 Pedro 2.9).
• Ser bom administrador. Serve a Jesus e também aos membros de sua Célula (Lucas 12.42).
• Ser soldado de Cristo. Rompe as fortalezas do Diabo na vida das pessoas (1 João 3.8).
2. Seja um modelo de líder – 1 Coríntios 11.1
Deus chamou Paulo e fez dele exemplo para os gentios. O mesmo acontece com o líder de Célula. Ele deve ser modelo nas seguintes áreas:
• Como núcleo da Célula. Assim como na biologia, o líder é o centro das atividades da Célula.
• Como hormônio de crescimento. Crescimento espiritual, mas também numérico, através da evangelização constante.
• Como uma pessoa amável. O melhor ensino é dado por boas atitudes, e não com palavras.
3. Seja um soldado especialista na guerra espiritual – Efésios 6.10
Para ser um líder de Célula, é preciso ter uma atitude de fé que agrade ao Senhor. Ao líder foi delegada a autoridade espiritual para fazer a obra:
• Seja um guerreiro de oração. Tome nota dos pedidos, e ore pelas necessidades das pessoas.
• Seja cheio do Espírito Santo. Para dirigir a Célula com entusiasmo e dar o melhor de si.
• Sonhe com o crescimento de sua Célula. O bom líder deseja o mesmo que Deus – uma grande família (Romanos 8.29).
4. Estude a Palavra – 2 Timóteo 2.15; 3.16-17
Só a Palavra de Deus transforma vidas. Para isso, é imprescindível que o líder estude a Bíblia:
• Ouça. Tome nota das pregações e depois volte a lê-las (Romanos 10.17).
• Leia. Leia a Bíblia todos os dias de forma sistemática (Deuteronômio 11.18-20).
• Estude. Estudar a Palavra requer mais esforço e tempo do que ouvir e ler (1 Timóteo 4.13-15).
• Memorize. Memorizar a Palavra é a melhor maneira de vencer o Diabo (Mateus 4.1-11).
• Medite. Isso ajuda a compreender e aplicar a Palavra de Deus em nossa vida (Salmo 1.1-2).
5. Viva do orvalho da oração – Efésios 6.18
A missão do líder não poder ser realizada pela capacidade humana (Zacarias 4.6), mas através de uma vida intensa de oração:
• Peça a ajuda do Espírito Santo. Somente pelo poder do Espírito Santo os céus se abrem.
• Seja um intercessor. Não há amor maior pelas pessoas do que a intercessão.
• Louve e adore. O louvor e a adoração atraem o poder de Deus (2 Crônicas 20.22).
6. Estabeleça um lar de fé – 1 Timóteo 3.4
Um lar ajustado, não perfeito, é a maior credencial de um líder perante seus liderados. Trabalhe incansavelmente em favor do seu cônjuge e filhos:
• Você pode fazer. Há ensino abundante nas Escrituras sobre isso (Efésios 5.22-33 e 6.1-4).
• Você o fará, e assim será. Faça desse desafio, o seu maior compromisso (Josué 24.15).
7. Pratique a paciência do amor – 2 Timóteo 1.4
Grandes projetos não são finalizados do dia para a noite. Assim como nós, os demais também estão ainda em processo de aperfeiçoamento.
• A semente das lágrimas. Toda semeadura exige muito trabalho, suor e paciência.
• O fruto do esforço. A recompensa da semeadura em amor sempre vem (Salmo 126.5-6).

8. Fale com caráter – 1 Timóteo 4.16
As pessoas podem se esquecer das suas palavras, mas não das suas atitudes. O caráter santo de um líder fala mais alto que qualquer discurso:
• Coração de amor. A motivação do líder deve sempre ser o amor (1 Pedro 5.2-3).
• Lábios de bênção. Toda palavra deve ser proferida para edificação (Efésios 4.29).
• Aparência digna. Cuide do seu testemunho diante das pessoas (1 Timóteo 3.7).
• Sensibilidade. Não permita que as responsabilidades te desviem do amor ao próximo.
9. Ajude para que outros consigam o êxito – 2 Timóteo 2.2
Um líder de Célula consciente sabe que ninguém faz nada sozinho. Coopere e invista na vida de outros. Abra espaço para que novos líderes surjam entre seus auxiliares.
• A lei do bumerangue. Aquilo que fizermos aos outros, se fará a nós (Gálatas 6.7).
• Ore pelo êxito de outros. O líder humilde intercede pela vida dos seus companheiros.
10. Contemple o galardão do Reino dos céus – 2 Timóteo 4.7-8
Nenhum trabalho é vão no Senhor, e Ele não deixará de recompensar a cada um que se envolver em Sua obra com mãos dispostas e um coração dedicado e fiel.
• O prometido galardão do Reino dos céus. Há sim um prêmio reservado para nós no céu (1 Coríntios 15.19).
• O prometido galardão aqui na terra. Também há uma promessa a ser desfrutada ainda em vida (Lucas 18.29-30).
"Sendo assim, não corro como quem corre sem alvo, e não luto como quem esmurra o ar. Mas esmurro, o meu corpo e faço dele meu escravo, para que, depois de ter pregado aos outros, eu mesmo não venha a ser reprovado." 1 Coríntios 9.26-27

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

7 dicas de como fazer ótimas devocionais e crescer espiritualmente



Antes de dar minhas dicas, gostaria de apenas relembrar o que significa devocional. Devocional é aquele momento que você separa em seu dia para manter um relacionamento mais próximo de Deus. Normalmente, nesse momento, se medita na Bíblia, se ora, se louva, etc. São momentos muito importantes para o crescimento espiritual do crente. Sabido isso, agora quero compartilhar algumas dicas para que esse momento seja produtivo, especial e sustentável em sua vida.

1- Comece observando o seu tempo
Para se ter bons momentos devocionais você precisará de tempo. Quanto tempo você dispõe e em que período do dia? Avalie sua rotina e defina esse tempo que irá dedicar a Deus. Um exemplo: Consigo dedicar 30 minutos diários, das 6h às 6h30 da manhã. Não comece com longos períodos para não desanimar. Comece pequeno e vá crescendo aos poucos.

2- Qual é o seu melhor momento do dia?
Avalie a você mesmo e perceba em que momento do dia você é mais bem disposto para as suas devocionais. Tem pessoas que acordam, mas demoram a estarem bem ativas e atentas, o que faz do período da manhã um péssimo momento para fazer as devocionais. Observe-se. Qual é o seu melhor momento? Coloque a sua devocional nesse seu melhor período do dia. Isso te fará ficar mais animado e aproveitar mais o momento.


3- Qual é o seu melhor lugar?
Escolha um bom local onde possa ficar em paz e em silêncio para seu encontro com Deus. Se necessário, peça aos seus familiares que respeitem esse seu tempo e não te interrompam. Alguns acham o quarto um ótimo lugar, outros um escritório. Outros gostam do ar livre. Fique à vontade. A única regra é que esse lugar favoreça o seu encontro com Deus.


4- Trace um plano
Organize seu momento com Deus. Divida seu tempo entre a leitura e meditação da palavra, oração, louvor... Um exemplo: 15 minutos de leitura da Bíblia + 5 minutos de meditação e anotações sobre o texto + 10 minutos de oração. Outra dica legal é usar um plano de leitura bíblica para te guiar no objetivo de conhecer mais a palavra de Deus.

5- Anotações sempre!
Compre um caderno para anotar o que Deus falou com você, os textos que mais gostou, que mais te tocaram, os pedidos de oração, etc.. É muito gostoso anotar algumas orações e ver como Deus trabalha em nossa vida. Esse caderno será uma fonte de consulta sobre sua vida espiritual. Se gostar, faça um pequeno diário sobre o seu dia e a forma como Deus interagiu com você e você com Ele. Não confie em sua memória. Anotações estarão sempre ali para consulta.


6- Não desista diante das dificuldadesNão seja ingênuo achando que o inimigo irá gostar dessa sua postura. Contrariedades como distrações, sono, preguiça e outras, irão aparecer. Vença cada um delas e siga em frente. À medida que vai se aprofundando na presença de Deus, você vai ficando mais forte e vence mais fácil as lutas!

7- Não se contente em permanecer no mesmo lugar
Avance em suas práticas devocionais. Amplie seu tempo, ore mais, leia mais, medite mais, pratique mais. Você verá que seus momentos com Deus serão “viciantes”.

E você, tem alguma dica para compartilhar?

Tia Cris

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Exame Nacional de Desempenho de Estudantes - ENADE

Portaria Normativa nº 40 de 12 de dezembro de 2007, Art. 33-D, o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), que integra o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), tem como objetivo aferir o desempenho dos estudantes em relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares do respectivo curso de graduação, e as habilidades e competências em sua formação.

De acordo com a
O Enade 2015 será realizado no dia 22/11/2015 e é regulamentado pela Portaria nº 3, de 6 de março de 2015, que determina que sejam avaliados os estudantes dos cursos que:
conferem diploma de bacharel em Administração; Administração Pública; Ciências Contábeis; Ciências Econômicas; Comunicação Social (Jornalismo); Comunicação Social (Publicidade e Propaganda); Design; Direito; Psicologia; Relações Internacionais; Secretariado Executivo; Teologia e Turismo.
Conferem diploma de tecnólogo em Comércio Exterior; Design de Interiores; Design de Moda; Design Gráfico; Gastronomia; Gestão Comercial; Gestão da Qualidade; Gestão de Recursos Humanos; Gestão Financeira; Gestão Pública; Logística; Marketing e Processos Gerenciais.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

A graça suficiente de Deus 2 Coríntios 12:7-10 John MacArthur Jr.


INTRODUÇÃO
Há uma única palavra que abrange todas as riquezas que encontramos em Cristo: graça. Que palavra magnífica!
Ela é usada mais de 170 vezes no Novo Testamento, para referir-se ao favor divino conferido a pessoas que não o merecem. É o meio pelo qual recebemos todas as bênçãos materiais e espirituais. Para nós a graça de Deus é inexaurível e ilimitada, incluindo tudo a respeito das provisões em Jesus Cristo.
Pela graça, somos salvos (Ef 2.8) e nos mantemos firmes (Rm 5.2). A graça sustenta a nossa salvação, dá-nos vitória na tentação e ajuda-nos a suportar o sofrimento e a dor. A graça nos ajuda a entender a palavra e a aplicá-la com sabedoria às nossas vidas, nos conduz à comunhão e à oração, capacitando-nos a servir ao Senhor eficazmente. Em suma, existimos e estamos firmes no ambiente da graça toda-suficiente.

1. GRAÇA SOBRE GRAÇA

Uma das declarações mais maravilhosas sobre o Senhor é que Ele era “cheio de graça” (Jo 1.14); e “nós temos recebido da sua plenitude e graça acumulada – uma graça sobrepondo-se à outra. Tal graça é nossa a cada dia; é ilimitada e suficiente para cada necessidade. Paulo falava a este respeito como “abundância da graça” (Rm5.17);“a suprema riqueza da sua graça” (Ef 2.7) e a “superabundante graça” (2 Co 9.14). Pedro mencionou a “multiforme” graça de Deus (1 Pe 4.10). Ele usou esta mesma palavra, ao falar das várias provas que os crentes enfrentam (1 Pe 1.6).
Este é um maravilhoso paralelo: a multifacetada graça de Deus é suficiente para as nossas múltiplas provas.

2. GRAÇA SUPERABUNDANTE

Talvez em nenhum outro lugar a magnificência da graça é mais maravilhosamente expressa do que em 2 Coríntios 9.8,11: As ênfases neste texto são admiráveis: “Deus pode fazer-vos abundar em toda graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, ampla suficiência, superabundeis em toda boa obra…enriquecendo-vos, em tudo, para toda generosidade, a qual faz que, por nosso intermédio, sejam, tributadas graças a Deus”.
Em certo sentido, só esse texto já resume tudo que poderia ser dito sobre nossa suficiência em Cristo. Postos em um contexto que descreve as provisões materiais concedidas por Deus, estes versículos têm um significado que obviamente se estende a proporções ilimitadas. A graça superabundante habita todo crente (v. 14). É de se admirar que Paulo não pôde reter seu louvor a Deus portal dom indescritível (v,15)?

3. GRAÇA TODA-SUFICIENTE

Paulo experimentou a graça de Deus de um modo que poucos experimentaram, pois, suportou sofrimentos como poucos o fizeram. Em 2 Coríntios 12.9, o Senhor lhe deu uma das verdades mais profundas de toda revelação: “A minha graça te basta". Aquela maravilhosa promessa se estende a todo crente, mas foi dada em um contexto de sérias dificuldades, aflição, perseguições e fraquezas humanas (v. 10).
No capítulo 11, Paulo faz uma lista das muitas dificuldades e situações ameaçadoras pelas quais ele passara. Incluídas em sua lista estão grandes aflições físicas, aprisionamentos, espancamentos, apedrejamentos, naufrágios, rios perigosos, assaltantes, perseguição de gentios e judeus, noites mal dormidas, frio e calor, fome e sede (vv. 23-27). Ainda mais dolorosa do que tudo isso era a preocupação diária que ele tinha de bem-estar das igrejas que eram a maior paixão de Paulo (Cl 1.28-29) e apresentavam o maior potencial para trazer-lhe dor e decepção.

4. AS LIÇÕES DA GRAÇA

As circunstâncias aflitivas experimentadas por Paulo colocaram-no em posição de aprender algumas lições maravilhosas sobre a graça de Deus, as quais ele nos transmite em 2 Coríntios 12.7-10.
4.1. Humildade.
Deus sabe que os homens estão sujeitos ao orgulho, especialmente quando estão em posições de privilégio espiritual. Portanto, Deus usa oposição e sofrimento para lhes ensinar a humildade.
Paulo foi talvez o homem espiritualmente mais privilegiado que já viveu; e a graça do Senhor em sua vida foi extraordinária. Em pelo menos quatro ocasiões o próprio Jesus apareceu a ele, a fim de instruí-lo e encorajá-lo em tempos de profunda necessidade (At 9.4-6; 18.9,10; 22.17-21; 23.11; 2 Co 12.1-4). Recebeu tão ampla revelação da parte de Deus que seus escrit os formam quase a metade dos livros do Novo Testamento. Por causa da natureza extraordinária destas revelações, Deus colocou um “espinho na carne” de Paulo, para guardá-lo da exaltação (2 Co 12.7). Essa expressão poderá inspirar um quadro de uma pessoa furando o dedo com um pequeno espinho, a colher rosas. Mas, como observamos no capítulo anterior, a palavra grega traduzida por “espinho” literalmente significa uma estaca, na carne pecaminosa de Paulo, para afligi-la e matá-la, com o propósito de evitar a jactância e o orgulho.
Paulo descreveu o espinho como um “mensageiro de Satanás” (v. 7). Há muitos pontos de vista diferentes sobre o que isso significa, mas se consideramos pelo significado, evidente, podemos simplificar a questão. Um mensageiro de Satanás é alguém a quem Satanás envia com uma mensagem: isso é bastante claro. A palavra grega traduzida por “mensageiro” é angelos, que é usada mais de 170 vezes no Novo Testamento e sempre se refere a uma pessoa- homem ou anjo. Portanto, é demasiado improvável que Paulo estivesse usando essa palavra no versículo 7 para se referir a um mal físico, como muitos comentaristas sugerem.
O espinho a que Paulo se refere era uma pessoa. Estou convencido de que era o cabeça da oposição em Corinto, o qual estava difamando Paulo, mediante um ataque pessoal ao seu caráter e ao seu ministério, fazendo com que as pessoas amadas por Paulo se virassem contra ele.
O argumento de Paulo é que Deus fez com que Satanás enviasse alguém para afligi-lo de forma agressiva. Paulo entendeu isto e até sabia a razão de tal tratamento: “Para que não se ensoberbecesse” (v.7). Assim como Ele usara Satanás para humilhar Jó e Pedro, Deus estava preparando Paulo para ser mais útil. Ao contrário de muitos conselheiros humanos, que buscam elevar a opinião da pessoa sobre si mesma, Deus nos esvazia para que tenhamos um relacionamento correto com Ele. Depois, exalta-nos de acordo com a sua vontade e nos dá graça maravilhosa (Tg 4.6,10).
4.2. Dependência
Frequentemente outros crentes são canais da graça de Deus, mas somente Ele é a fonte. Temos a tendência de nos voltarmos para as pessoas a fim de solucionar nossas mágoas, mas Deus quer que, em tempos de dificuldade, busquemos primeiramente a Ele.
Essa foi à reação de Paulo. Em 2 Coríntios 12.8, ele diz: “Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim”. Rogar é pedir ou apelar a alguém, Observe que as palavras de Paulo não foram: “Por causa disto, fui ao meu terapeuta, fiz um seminário, li um livro ou repreendi a Satanás”. Ele tomou o rumo que muitos consideram simplista: ao Senhor!
Três vezes ele rogou que Deus removesse o espinho; três vezes o Senhor disse não. Paulo orou fiel e persistentemente; e aprendeu que os propósitos de Deus se realizariam melhor com a resposta negativa.
4.3. Suficiência
Paulo ficou contente com a resposta de Deus, porque sabia que Deus iria suprir graça suficiente para sua provação.
Então ele me disse: A minha graça te basta” (v. 9). “Ele me disse” – está no tempo perfeito no texto grego, implicando que, toda vez que Paulo orava, Deus dizia e continuava a dizer a mesma coisa. “A minha graça te basta”.
Deus respondeu à oração de Paulo, não para dar o que ele pedia, nem para remover o problema ou a dor, mas por suprir graça suficiente para que Paulo pudesse suportá-lo. Por que remover algo que gera benefícios tão imensos, tais como a humildade, a comunhão e maior glória para Deus?
4.4. Poder
O sofrimento que revela as nossas fraquezas, serve também para revelar o poder de Deus: “Porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza” (v.9). Quando somos menos dependentes de nossa força humana e temos apenas o poder de Deus para nos sustentar, então somos canais adequados pelos quais Deus faz fluir seu poder. Desta forma, devemos louvar a Deus pela adversidade, pois ela é a ocasião em que o poder de Deus é mais evidente em nossas vidas. Não existe alguém tão fraco que não possa tornar-se forte, mas existem muitos que achando-se fortes continuarão fracos.
Paulo compreendeu esta verdade. Sua atitude foi de gozo e louvor. No versículo 9, ele diz: “De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo”. Ele não era um masoquista. Não adorava ser maltratado, mas amava a graça e o poder de Deus manifestados nele. Sabia que um ministério espiritual só pode ser realizado no poder do Espírito. Quando sua reputação acabasse, Paulo não poderia depender dela. Quando sua força física se esgotasse, não poderia se amparar nela. Ficou limitado a pregar a mensagem que Deus lhe havia confiado e a depender do poder de Deus para fazer o resto, e Deus nunca falhou com ele.

CONCLUSÃO

Paulo nos dá um princípio-chave no versículo 10: “Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então é que sou forte”.
Paulo aceitou o seu problema grave como um amigo destinado a torná-lo mais útil para Deus. Sua atitude faz um grande contraste com a atitude de nossa sociedade! A maioria das pessoas pensa que a felicidade consiste em gozar de circunstâncias agradáveis e em possuir muitos bens.
Muitos cristãos parecem pensar que guardar os crentes de todas as dificuldades é a maior expressão da graça de Deus. Em muitos momentos Deus nos guarda de fato, das dificuldades, mas em outros Ele as usa para revelar sobre nós que a sua graça é suficiente para termos uma vida abundante de gozo e alegria no Espírito.

terça-feira, 23 de junho de 2015

A amizade, um refrigério para o coração


Foto: internet
Foto: internet
A amizade é uma das mais importantes bênçãos da vida. O amigo ama em todo o tempo. É mais achegado que um irmão. Não poderíamos viver bem sem amigos achegados, companheiros de jornada, conselheiros sábios, refrigério de Deus para o coração. É claro que não estou falando de amigos de taberna, companheiros de copo, que rasgam a cara em ruidosas gargalhadas nos banquetes da iniquidade. Não estou falando dos amigos utilitaristas, que se aproximam apenas para auferirem alguma vantagem imediata. Falo dos amigos sinceros, que estão ao seu lado para celebrar suas vitórias e chorar com você em suas lutas. Falo daqueles amigos que confrontam você em secreto e enaltecem você em público. Falo daquela amizade que é edificada sobre o sólido fundamento do amor, e que, por isso, não se abala quando as vicissitudes nos açoitam com rigor desmesurado.
Amigos bajuladores são um simulacro da verdadeira amizade. Agradam você com elogios hipócritas em sua presença e solapam sua honra quando você vira as costas. O verdadeiro amigo, porém, ama em todo o tempo. Está presente com você não porque busca alguma vantagem, mas porque tem pressa em servi-lo. O amigo verdadeiro é aquele que chega quando todos já se foram. É aquele que lhe estende a mão com presteza, quando os outros recuam com celeridade.
O apóstolo Paulo ilustra essa magna verdade, mencionando Filemom, um homem cujo o amor lhe trazia grande alegria e conforto; um homem que reanimava o coração dos santos; um amigo leal, um bálsamo de Deus na vida das pessoas. Eis o registro do veterano apóstolo: “Pois, irmão, tive grande alegria e conforto no teu amor, porquanto o coração dos santos têm sido por teu intermédio” (Fm 7). E você, tem sido um amigo leal? Você tem reanimado o coração das pessoas? Dale Carnegie, em seu clássico Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas, diz que a única maneira de termos amigos é sermos amigos. Aqueles que investem em pessoas, amando, cuidando e servindo recebem de volta amizade sincera. Quando semeamos lealdade, colhemos fidelidade. Quando esparramamos as sementes do amor, colhemos os frutos da lealdade. Quando abençoamos, somos abençoados. Quando franqueamos nosso coração aos outros, recebemos de volta aquilo que ofertamos.
Você tem amigos verdadeiros? Eles têm sido seus conselheiros? Você tem encontrado neles consolo e encorajamento? Você tem esse tipo de amigo? Você encontra tempo para investir na vida das pessoas que ama? Está presente com elas em suas alegrias para celebrar suas vitórias? Está junto delas para chorar suas dores? Lembre-se: nesse terreno, colhemos o que plantamos e ceifamos o que semeamos!
::Hernandes Dias Lopes

A amizade, um refrigério para o coração

A amizade, um refrigério para o coração

Foto: internet
Foto: internet
A amizade é uma das mais importantes bênçãos da vida. O amigo ama em todo o tempo. É mais achegado que um irmão. Não poderíamos viver bem sem amigos achegados, companheiros de jornada, conselheiros sábios, refrigério de Deus para o coração. É claro que não estou falando de amigos de taberna, companheiros de copo, que rasgam a cara em ruidosas gargalhadas nos banquetes da iniquidade. Não estou falando dos amigos utilitaristas, que se aproximam apenas para auferirem alguma vantagem imediata. Falo dos amigos sinceros, que estão ao seu lado para celebrar suas vitórias e chorar com você em suas lutas. Falo daqueles amigos que confrontam você em secreto e enaltecem você em público. Falo daquela amizade que é edificada sobre o sólido fundamento do amor, e que, por isso, não se abala quando as vicissitudes nos açoitam com rigor desmesurado.
Amigos bajuladores são um simulacro da verdadeira amizade. Agradam você com elogios hipócritas em sua presença e solapam sua honra quando você vira as costas. O verdadeiro amigo, porém, ama em todo o tempo. Está presente com você não porque busca alguma vantagem, mas porque tem pressa em servi-lo. O amigo verdadeiro é aquele que chega quando todos já se foram. É aquele que lhe estende a mão com presteza, quando os outros recuam com celeridade.
O apóstolo Paulo ilustra essa magna verdade, mencionando Filemom, um homem cujo o amor lhe trazia grande alegria e conforto; um homem que reanimava o coração dos santos; um amigo leal, um bálsamo de Deus na vida das pessoas. Eis o registro do veterano apóstolo: “Pois, irmão, tive grande alegria e conforto no teu amor, porquanto o coração dos santos têm sido por teu intermédio” (Fm 7). E você, tem sido um amigo leal? Você tem reanimado o coração das pessoas? Dale Carnegie, em seu clássico Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas, diz que a única maneira de termos amigos é sermos amigos. Aqueles que investem em pessoas, amando, cuidando e servindo recebem de volta amizade sincera. Quando semeamos lealdade, colhemos fidelidade. Quando esparramamos as sementes do amor, colhemos os frutos da lealdade. Quando abençoamos, somos abençoados. Quando franqueamos nosso coração aos outros, recebemos de volta aquilo que ofertamos.
Você tem amigos verdadeiros? Eles têm sido seus conselheiros? Você tem encontrado neles consolo e encorajamento? Você tem esse tipo de amigo? Você encontra tempo para investir na vida das pessoas que ama? Está presente com elas em suas alegrias para celebrar suas vitórias? Está junto delas para chorar suas dores? Lembre-se: nesse terreno, colhemos o que plantamos e ceifamos o que semeamos!
::Hernandes Dias Lopes

O caráter da generosidade de Deus

O caráter da generosidade de Deus

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16)
Foto: Internet
Foto: Internet
Existem muitos atributos em Deus. Mas um dos mais evidentes revelados em Sua Palavra é a generosidade. Toda vez que a Bíblia fala do amor de Deus, ela nos mostra Deus dando algo ou fazendo algo em benefício do homem. Nós somos filhos de um Deus que é generoso por natureza, portanto, precisamos expressar a mesma natureza do Deus a quem servimos. Isso significa que:
1 – Devemos ser naturalmente pessoas generosas
Os cristãos deveriam ser por natureza o povo mais generoso da face da terra. Mais do que os espíritas, mais do que os católicos, mais do que os maçons. Mais do que os seguidores de qualquer outra religião. Porque o cristianismo é a única religião cujo adorador chamar Ser adorado de Pai. E se somos filhos de um Pai generoso, devemos ser homens e mulheres generosos. Quando surge uma necessidade, nós como cristãos deveríamos ser os primeiros a tomar a iniciativa de ajudar. Mas, mesmo quando não há uma necessidade explícita, por causa da natureza generosa que recebemos do Pai, devemos dar. Ofertar, contribuir, deve ser tão natural para nós como orar, louvar e ler a Palavra de Deus. Faz parte da nossa vida. O verdadeiro cristão está sempre buscando oportunidades para abençoar os outros e a obra de Deus.
2 – Devemos ser naturalmente pessoas prósperas
A Bíblia afirma que a pessoa generosa prospera mais do que as outras (Pv 11.24-25). Um dos segredos da prosperidade na Bíblia é a generosidade. Toda pessoa no Reino de Deus, que é generosa, prospera mais do que as outras pessoas. Na verdade, a Bíblia diz que quem retém mais do que é justo, lhe será em pura perda. É como aquela criança que recebeu de presente um pote de doce. Haviam muitas crianças por perto e ela teve a oportunidade de repartir. Mas ela decidiu reter. Comeu o que conseguiu e depois guardou o restante do pote. Mas para a surpresa, quando acordou, o doce havia estragado. Quem retém perde! Mas quem libera prospera!
3 – Devemos sentir alegria na generosidade
Foto: Internet
Adicionar legenda
“Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria.” (2Co 9.7). A pessoa verdadeiramente generosa sente alegria em contribuir. Para o generoso, participar de um momento de oferta, fazer doações, dar presente, é algo que alegra o seu coração. O avarento na hora da oferta fica triste e fecha o coração. Mas o generoso celebra. A Bíblia diz que porque Deus amou o homem, Ele deu seu único filho. Da mesma forma o homem que ama a Deus, oferta com generosidade e alegria no coração. Se você é filho legítimo de Deus, seu coração se alegrará neste momento. Portanto, vamos contribuir com alegria. Você está pronto para celebrar nesta hora?